Literatura Libanesa Druza

•Abril 9, 2012 • Deixe um Comentário
Literatura Libanesa
   

materia publicada em http://lardruzo.org/index.php?option=com_content&view=article&id=51:livros&catid=38:arte-cultura-libanesa&Itemid=71

 

Poesia e Romance:

Gibran Khalil Gibran

Nascido na cidade dos cedros, em Bicharre, em 06 de dezembro de 1.883, foi um dos escritores mais célebres do Líbano, conhecido pela beleza, delicadeza e espiritualidade de sua literatura e pintura. Com 11 anos de idade migrou para Boston, com parte da família, retornando ao Líbano em 1894 para terminar os estudos. Em 1902 volta para Boston, porém, com a morte da mãe e do irmão, o escritor inicia a produção de uma série de artigos e pinturas místicas, que lhe assegurarão uma bolsa de estudos na França. Viveu em Paris por dois anos, onde aprofundou suas técnicas de desenho, pintura e escultura. Ao retornar para os Estados Unidos em 1910, decidiu viver por um tempo em Nova Iorque, cidade que permanecerá até sua morte em 10 de abril de 1931, com apenas 48 anos. Em 21 de agosto de 1931, seus restos mortais chegam à terra pátria, o Líbano, onde será recebido pela população emocionada. Seu corpo está enterrado em um convento próximo à sua cidade natal (Bicharre), no vale de Kadisha, uma região de rara beleza, ladeada pelas montanhas e pelos cedros do Líbano, uma paisagem que sempre inspirou o eterno Gibran Khalil Gibran.

Principais obras:

  • GIBRAN, Gibran Khalil. As almas rebeldes. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 1976.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. Asas partidas: o primeiro amor de Gibran. Rio de Janeiro: Record, 1957.
  • GIBRAN, Gibran Khalil . As Ninfas do Vale. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 19_.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. As Procissões: A música. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 197_.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. Curiosidades e Belezas. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 197_.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. O Profeta. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 1976.
  • GIBRAN, Gibran Khalill. Jesus, o filho do Homem. 3. ed. São Paulo: Civilização Brasileira, 1970.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. Uma lágrima e um sorriso. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 1974.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. O louco. Rio de Janeiro: Vozes, 1973.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. Os mais belos pensamentos de Gibran. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 197_.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. Mensagens espirituais. 7. ed. Rio de Janeiro: Record, c1962.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. Parábolas. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 1973.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. O precursor. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 1977.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. O profeta do jardim. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 1973.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. Segredos do coração : poemas e reflexões. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 196_.
  • GIBRAN, Gibran Khalil. Temporais. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 1973.

 

Mansour Challita

O libanês Mansour Challita nasceu na Colômbia, mas ainda na infância se mudou para o Líbano, onde se graduou em Letras e Filosofia. Na Década de 1950 se mudou para o Brasil, onde teve papel fundamental na difusão da obra do escritor libanês Gibran Khalil Gibran, pois foi o seu maior tradutor. Além das traduções das obras de Gibran, Challita também contribui para a difusão da literatura árabe, como pode ser observado na obra “As mais belas páginas da literatura árabe”, além da tradução o Alcorão.

Principais obras:

  • CHALLITA, Mansour. As mais belas páginas da literatura árabe: amor, humorismo, sabedoria, espiritualidade. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, 1973.
  • CHALLITA, Mansour. Belíssimas páginas da literatura universal. Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, [19- ].
  • CHALLITA, Mansour. Charbel: milagres no século XX. São Paulo: ACIGI, [19- ].
  • CHALLITA, Mansour. Esse desconhecido Oriente Medio. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan, 1991.
  • CHALLITA, MANSOUR. AS MAIS BELAS PAGINAS DA LITERATURA LIBANESA. 19

 

Assaad Youssef Zaidan

O Libanês Assaad Zaidan nasceu em 1933, na cidade de Rweast el Balout e migrou para o Brasil em 1952. Têm se destacado por suas obras em língua árabe e em língua portuguesa, sendo que muitas delas tentam reforçar os laços existentes entre a cultura libanesa e a brasileira. Seu último livro retrata a vida e o pensamento do mais célebre escritor libanês do século XX, Gibran Khalil Gibran. O autor é admirado pela dedicação em pesquisar as raízes da migração libanesa no Brasil e as belezas da língua árabe e sua influência na língua portuguesa.

Principais obras:

  • ZAIDAN, Assaad. Letras e História: Mil palavras Árabes na Língua Portuguesa. Belém: Secult-PA, 2005.
  • ZAIDAN, Assad. Raízes Libanesas no Pará. Belém, 2001.
  • ZAIDAN, Assad. Gibran Khalil Gibran: Filósofo dos Profetas, Profeta dos Filósofos. São Paulo: Escrituras, 2008.

Bispo Maronita visita libaneses em Belém

•Março 27, 2012 • 2 comentários

matéria publicada em a voz de Nazaré

http://www.fundacaonazare.com.br/voz/ler.php?id=1201&edicao=40

Bispo maronita visita libaneses em Belém
 

A comunidade Libanesa do Estado recebeu esta semana, a visita do arcebispo maronita, Dom Edgard Madi. Durante os quatro dias em que esteve em Belém o prelado presidiu missa na igreja São João Batista, no bairro da Cidade Velha e visitou a comunidade libanesa que se encontra em Belém. “O objetivo principal é que, como arcebispo maronita, tenho a obrigação de visitar e conhecer as comunidades maronitas que existem pelo país. Aqui em Belém existe uma comunidade maronita; somente no clube Monte Líbano estão filiados mil pessoas, mas eles não possuem ainda paróquia, por isso estou aqui para que, com o apoio de Dom Orani, possa estabelecer essa paróquia”, diz Dom Madi. “Não há uma previsão de quando ela será concluída. Uma referência é a igreja de São João Batista, que parece um bom lugar, pois ela já possui uma imagem de Nossa Senhora do Líbano”, continua o bispo.

Atualmente no Brasil existem cerca de 8 milhões de libaneses e descendentes, quatro milhões destes fazem parte da sociedade maronita; organizados em 10 paróquias localizadas nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre. A maior comunidade encontra-se no Estado de São Paulo. Em Belém, a sociedade existe desde 1980, mas somente agora uma paróquia deve ser efetivamente constituída. “Também tenho a missão de ajudar esses libaneses a ter uma dupla cidadania. Hoje temos um site chamado ‘Sou Libanês’ que dá mais informações”, comenta Dom Madi. Apesar dos libaneses encontrarem-se por todo o país, poucos são o lugares onde a comunidade pode se reunir. Esse distanciamento entre elas foi percebido pelo bispo que, com pouco mais de um ano na função, tem como missão estabelecer a unificação da sociedade maronita no Brasil. “Este é um desafio muito grande. Os libaneses estão espalhados pelo país, e não há paróquias e escolas, que são um instrumento de conservação da cultura libanesa. Na maioria desses lugares, inclusive aqui em Belém, considero a falta de paróquias um dos maiores entraves para essa unificação. Eu vejo essas comunidades como ovelhas sem pastor para orientá-los”, afirma Dom Madi.

HISTÓRIA

 

A Eparquia Maronita existe no Brasil desde 1962. Essa comunidade funciona de forma particular, seguindo ritos orientais, mas trabalha em plena comunhão com a Igreja Católica Romana. “É importante destacar que a Igreja Maronita é uma Igreja Católica que reconhece a autoridade do Papa. Fundada por São Pedro antes de ir para Roma, por isso é um Igreja Católica Apostólica Romana Oriental”, observa Dom Madi. Mesmo reconhecida como católica, a Igreja Maronita possui peculiaridades, por exemplo, durante a celebração da missa. “Nós possuímos uma estrutura diferente, celebramos a missa em aramaico que é a língua genuína de Jesus. Além disso, temos um Patriarca que seria o chefe maior que vive no Líbano. E no Oriente, os homens podem se casar antes de serem ordenados. Então um maronita pode ser ordenado padre mesmo sendo casado, mas depois de ordenado um padre solteiro não poderá mais casar, e para bispo é necessário ser sempre celibatário”, ensina o bispo.

Dom Edgard Madi também comentou sobre a emoção que sentiu ao presidir a missa na Igreja de São João Batista, no último domingo. “Gostei muito, percebi a emoção da comunidade libanesa e seus descendentes. Isto é muito importante para que todos se sintam ligados”. O bispo aproveitou para agradecer a colaboração do Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Orani João Tempesta. “Dom Orani ajudou a Igreja Maronita quando ainda era bispo de São José de Rio Preto, em São Paulo. Graças ao seu conhecimento ele, também aqui em Belém, veio nos ajudar novamente. Gostaria de frisar este agradecimento especial”, destaca Dom Madi.

•Março 14, 2012 • Deixe um Comentário

Brasileiramente, Árabes!

 

 
 
 
 

 

Fragmentos retirados de entrevistas por Cleice Maciel

  

“Lembro da casa da vovó, na rua 03 de maio com a av. independência, do outro lado da rua morava tio Oswaldo e tia Vigica e tinha ainda a casa de tia Antonieta. Aos sábados, os tios e tias iam para casa da vovó, inclusive tio Orlando para comer comida árabe. Tinha de tudo! Até hoje, ninguém faz homus como a vovó! E nem picadinho como tia Olinda”…” eu não cozinho a comida árabe, pois é muito trabalhosa, precisa de um certo ritual, mas eu e meu pai freqüentamos os restaurantes árabes, aqui em Belém e em São Paulo! Aqui freqüento o Kafkas.”

                                                                Oriana Bitar

Gostava de guardar dinheiro e de alimentar muito bem sua família…por falar nisso,minha mãe conta que,ele gostava de guardar os alimentos mais gostosos em uma geladeira movida à querosene

View original post mais 930 palavras

revista Ensaio Geral, traz artigo sobre a gastronomia libanesa em Belém.

•Abril 16, 2011 • 1 Comentário

a revista pode ser encontrada na FOX Video, na rui barbosa

Os números de 2010

•Janeiro 3, 2011 • Deixe um Comentário

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Uau.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Um Boeing 747-400 transporta 416 passageiros. Este blog foi visitado cerca de 12,000 vezes em 2010. Ou seja, cerca de 29 747s cheios.

 

Em 2010, escreveu 10 novo artigo, aumentando o arquivo total do seu blog para 42 artigos. Fez upload de 23 imagens, ocupando um total de 38mb. Isso equivale a cerca de 2 imagens por mês.

The busiest day of the year was 9 de Março with 488 views. The most popular post that day was Diário de campo fotográfico: Os Abou El Hosn.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram search.conduit.com, mail.live.com, google.com.br, pt.wordpress.com e redeteatrodafloresta.ning.com

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por anos 60, brasileiramente arabe, brasileiramente arabes e nabih abou el hosn

Atracções em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

Diário de campo fotográfico: Os Abou El Hosn Outubro, 2009

2

Naturalmente, Libanês! Outubro, 2009

3

o adorno Árabe, um capital feminino Outubro, 2009

4

Álbum de família: Os Abdul Khalek por Natália Setembro, 2009
1 comentário

5

Àlbum de Família: Os Pardauil e os Bitar …por Oriana Outubro, 2009
1 comentário

A performance dos descendentes de libaneses no comercio em Belém do Pará

•Outubro 21, 2010 • Deixe um Comentário

cena do espetáculo, que representa os regatões de mascates libaneses

 

 

Bolsista CNPq – PIBIQ: Carlos Edurado Moreria Vera Cruz

Pesquisa vinculada ao projeto Brasileiramente Árabes. Um Estudo das Práticas Performáticas dos Descendentes de Libaneses na Cidade de Belém.

Orientadora: Karine Jansen

 

A pesquisa busca investigar a performance dos descendentes de libaneses que atuam no comércio de Belém. Considerando performance como uma “atividade feita por um indivíduo ou grupo na presença e para outro indivíduo ou grupo” (SCHECHNER, R. 1988:30). Tendo em vista a relação com o cliente, que é proporcionada pela atividade comercial, além de outros fatores como: organização visual do estabelecimento e o resgate da memória pela oralidade.

um dos objetivos da pesquisa é mapear lojas que pertencem a descendentes de libaneses no comércio em Belém; descrever suas principais características e identificar técnicas de venda e compra dos comerciantes através da observação e de entrevistas, relacionando esses aspectos com os estudos da performance. iteressa compreender de que maneira as culturas árabes -por meio dos libaneses estabelecem diálogos e conexões com a cultura da cidade de Belem. Observamos em campo que a atividae comercial é um vinculo emocional importante para as familias dos descendentes de libaneses, bem como para a comunidade em si. além de ser indiscutivelmente á pratica performatica que estabeleceu a troca e interação da cultura libanesa e a amazonica.

Carlos Vera Cruz é ator e graduando do 2º ano de Licenciatura Plena em Teatro da UFPa.

II Seminário de Pesquisa da Escola de teatro e dança da UFPA

•Outubro 14, 2010 • Deixe um Comentário

O  seminário coordenado pela Profa. Dra. Olinda Charone acontecerá  dos dias 18 á 22 de Outubro de 2010 na Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará. As inscrições para comunicação científicas devem ser realizadas com os seguintes professores: Prof. especialista Alberto Silva Neto – Comunicações de Professores da Etdufpa e EXternos Prof. Especialista Beto Benone -Comunicações de estudantes da Etdufpa ou Externo. O Seminário contará com a presença dos Professores doutores Narciso Telles UFU e Graça Veloso da UNB